top of page
banner_blog_da_sucesu_pe.png
  • Foto do escritorSucesu PE

FMI considera que IA afetará 40% dos empregos e provavelmente agravará desigualdade

'Crucial' que os países construam redes de segurança social para mitigar o impacto sobre os trabalhadores

Por Cláudio Alcoforado, traduzido do The Guardian

Artigo publicado no The Guardian (UK), o chefe do Fundo Monetário Internacional declara que a inteligência artificial afetará 40% dos empregos em todo o mundo e é "crucial" que os países construam redes de segurança social para mitigar o impacto sobre os trabalhadores vulneráveis. A IA está pronta para mudar profundamente a economia global, com economias avançadas em maior risco de ruptura. Análise do FMI, diz que cerca de 60% dos empregos em economias avançadas como EUA e Reino Unido estão expostos à IA e metade desses empregos pode ser afetada negativamente. Mas a tecnologia também ajudará a melhorar a produtividade de alguns humanos à medida que a IA melhora seu desempenho.

De acordo com o FMI, os empregos mais seguros e altamente expostos são aqueles com uma "alta complementaridade" com a IA, o que significa que a tecnologia ajudará seu trabalho em vez de deslocá-lo completamente. Isso inclui funções com alto grau de responsabilidade e interação com pessoas – como cirurgiões, advogados e juízes. Trabalhos de alta exposição com "baixa complementaridade" – ou seja, o potencial de serem deslocados pela IA – incluem telemarketing ou chamadas a frio para oferecer bens ou serviços. As ocupações de baixa exposição incluem lavadoras de louça e artistas, disse o FMI.

A exposição a empregos de IA é de 40% em economias de mercados emergentes – definidas pelo FMI como Estados como China, Brasil e Índia – e de 26% para países de baixa renda, com um total geral de pouco menos de 40%, de acordo com o FMI. Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI, disse que a capacidade da IA de afetar empregos altamente qualificados significa que as economias avançadas enfrentam maiores riscos da tecnologia. Ela acrescentou que, em casos extremos, alguns empregos nas principais economias podem desaparecer.

"É crucial que os países estabeleçam redes de segurança social abrangentes e ofereçam programas de reciclagem para trabalhadores vulneráveis", disse Georgieva. "Ao fazer isso, podemos tornar a transição da IA mais inclusiva, protegendo meios de subsistência e reduzindo a desigualdade." A análise do FMI mostra que os assalariados mais altos cujos empregos têm alta complementaridade com a IA podem esperar um aumento em sua renda, levando a um aumento da desigualdade.

Satya Nadella, presidente-executivo da Microsoft, que é o maior investidor da OpenAI, a empresa americana por trás do ChatGPT, disse na segunda-feira que haveria empregos no futuro, mas a questão permanecia sobre qual seria "a forma desses empregos". Falando em um evento organizado pelo think tank Chatham House, em Londres, Nadella disse que a IA pode ajudar com "transições no meio da carreira". E acrescentou: "Acho que esta é a idade em que se trata de perícia na ponta dos dedos. Então, qualquer pessoa pode se tornar especialista em qualquer coisa, porque você tem o assistente de IA te ajudando."

No ano passado, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico disse que as ocupações em maior risco de automação impulsionada por IA eram empregos altamente qualificados e representavam cerca de 27% do emprego em seus 38 países membros, que incluem Reino Unido, Japão, Alemanha, EUA, Austrália e Canadá. Segundo o órgão, profissões qualificadas, como direito, medicina e finanças, são as que correm mais risco.

6 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page